DUAS BAGATELAS

Paulo Henriques Britto

Então viver é isso
é essa obrigação de ser feliz
a todo custo, mesmo que doa,
de amar alguma coisa, qualquer coisa,
uma causa, um corpo, o papel
em que se escreve,
a mão, a caneta a até,
amar até a negação de amar,
mesmo que doa,
então viver é só
esse compromisso com a coisa,
esse contrato, esse cálculo
exato e preciso, esse vício
só isso.

 

Joaquim António Emídio

Fui outra vez ao chão
lutar com a vida

não tenho coração
para um peito invencível

levanto-me
agora com novas forças
para lutar

a vida
é como esta mão
presa ao papel

com raiva de estar presa
feliz por não se poder libertar

 

 

MEDO

                     Raymond Carver

Medo de ver a polícia estacionar à minha porta.
Medo de dormir à noite. Medo de não dormir.
Medo de que o passado desperte.
Medo de que o presente alce voo.
Medo do telefone que toca no silêncio da noite.
Medo de tempestades elétricas.
Medo da faxineira que tem uma pinta no queixo!
Medo de cães que supostamente não mordem.
Medo da ansiedade!
Medo de ter que identificar o corpo de um amigo morto.
Medo de ficar sem dinheiro.
Medo de ter demais, mesmo que ninguém vá acreditar nisso.
Medo de perfis psicológicos.
Medo de me atrasar e medo de ser o primeiro a chegar.
Medo de ver a letra dos meus filhos em envelopes.
Medo de que eles morram antes de mim, e que eu me sinta [culpado.
Medo de ter que morar com a minha mãe em sua velhice, [ e na minha.
Medo da confusão.
Medo de que este dia termine com uma nota infeliz.
Medo de acordar e ver que você partiu.
Medo de não amar e medo de não amar o bastante.
Medo de que o que amo se prove letal para aqueles que amo.
Medo da morte.
Medo de viver demais.
Medo da morte.
Já disse isso.

 
 
 
poeta da vez
indicações: leia mais
editora da palavra